foto

António Guterres recebeu «Prémio José Aparecido de Oliveira» e considerou a CPLP “um dos mais fortes pilares de apoio” às Nações Unidas

OEI . 05/11/2018
Tamaño del texto + -

O secretário-geral da ONU afirmou no dia 5 de novembro de 2018, em Lisboa, que a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) é “um dos mais fortes pilares do apoio” às Nações Unidas e destacou o papel do multilateralismo na resposta aos “enormes riscos” mundiais.

António Guterres, que foi distinguido pela CPLP com o prémio bienal José Aparecido de Oliveira, considerou que este reconhecimento mostra “o empenhamento dos membros da CPLP em tudo fazer” para enfrentar “os enormes riscos” que se apresentam ao mundo, das alterações climáticas ao terrorismo, passando pelos impactos da evolução tecnológica.

A resposta da comunidade internacional a esses riscos deve ser feita, não através “de expressões de nacionalismo e de isolacionismo que não têm qualquer sentido”, mas reafirmando “uma ordem multilateral” que Guterres considerou ser hoje “mais indispensável do que nunca para a resolução dos problemas mundiais”.

O secretário-geral das Nações Unidas expressou ainda preocupação com a saída de congoleses de Angola, afirmando que as normas internacionais de proteção de refugiados em caso de conflito devem ser respeitadas.

Questionado sobre a situação na região dos Grandes Lagos, que abrange entre outros países, a República Democrática do Congo (RD do Congo) e a expulsão de emigrantes congoleses de Angola, Guterres mostrou-se “muito preocupado” porque a situação não está estabilizada.

O líder da ONU considerou ainda que “os países têm direito a definir as suas próprias políticas migratórias”, mas sublinhou que “também há normas internacionais de proteção dos refugiados que devem ser respeitadas”, nomeadamente em situação de opressão política ou de conflito.

Veja aqui a reportagem da RTP.

 

Foto: Lusa

CPLP, Lusa e RTP