Relatório Espaço IA

OEI apresenta Relatório Diagnóstico do Espaço Ibero-americano do Conhecimento

OEI - Ciencia . 25/06/2019
Tamaño del texto + -

Está a aumentar a qualidade do ensino superior na região ibero-americana. Esta é a principal conclusão do "Relatório Diagnóstico do Espaço Ibero-americano do Conhecimento” promovido pela OEI e pelo Ministério da Ciência, Inovação e Universidades de Espanha. O documento, apresentado na segunda-feira (24 de junho) em Espanha, realça, no entanto, que há ainda passos a dar rumo à excelência como, por exemplo, promover a mobilidade do corpo docente ou estimular a igualdade de género no seio das academias.

O "Relatório Diagnóstico do Espaço Ibero-americano do Conhecimento” foi apresentado, na segunda-feira, por Jorge Sáinz González, professor de Economia e membro do Conselho Consultivo da Organização de Estados Ibero-americanos para Educação, Ciência e Cultura (OEI) na Universidade Internacional Menéndez Pelayo (UIMP) em Santander.

O documento confirmou que existem universidades de qualidade na região ibero-americana (24 estão entre as 500 melhores do mundo no ranking de Xangai de 2018), no entanto, é preciso dar o passo em direção à excelência. Isto passa, entre outras ações, pela criação de redes, pela mobilidade do corpo docente, pelo desenvolvimento conjunto de programas de doutoramento, ou pela melhoria da qualidade das qualificações para que os diplomados possam contribuir com capital humano e conhecimento para a transformação e crescimento dos seus países.

Existem bons indicadores, como por exemplo, entre 2007 e 2016, o número de publicações por 100 investigadores aumentou em 26,64% e, desde 2010, em todos os anos, o número de estudantes do sexo feminino no ensino superior está acima dos 50 %, encontrando-se acima dos 60% na República Dominicana (63,88%), em Cuba (62,37), na Argentina (61,69%) e no Panamá (60,46%).

No entanto, essa superioridade numérica nas salas de aula das universidades não se traduz numa maior participação feminina no corpo docente do ensino superior.

O estudo demonstra, também, a relação positiva entre o Produto Interno Bruto (PIB) per capita na América Latina e no Caribe em relação ao número de alunos matriculados no ensino superior. Por cada dólar a mais no PIB per capita, foram matriculados mais de 2000 novos alunos no ensino superior.

O relatório sublinha, também, a necessidade de garantir um sistema de ensino superior transparente, capaz de transmitir tanto aos estudantes quanto à sociedade que as competências que estão a ser adquiridas são as competências necessárias para o desenvolvimento das comunidades.

Nas palavras de Sáinz, o objetivo do relatório "é realizar uma análise quantitativa e fazer uma proposta para a organização do Espaço Ibero-americano do Conhecimento, porque devemos agir agora".

O relatório foi apresentado no âmbito do Curso de Verão “Sistemas Universitários Ibero-americanos em diagnóstico” que decorreu na UIMP, entre 24 e 25 de junho. A sessão de abertura do curso esteve a cargo do Secretário-Geral da OEI, Mariano Jabonero, e do Secretário-Geral das Universidades, José Manuel Pingarrón. O curso conta também com a participação de Francesc Pedró García, diretor do Instituto Internacional de Educação Superior da UNESCO na América Latina e Caribe e membro do Conselho Consultivo da OEI, Néstor Raúl Pan López, presidente da Comisión Nacional de Evaluación y Acreditación Universitária (CONEAU), da Argentina, e José Arnáez, diretor da Agencia Nacional de Evaluación de la Calidad y Acreditación (ANECA), de Espanha, entre outros. Portugal esteve representado por Maria de Lurdes Fernandes, Vice-Reitora da Universidade do Porto com o pelouro da internacionalização.